X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!

Viajar

Cavando chega-se à China

Viajar

Cavando chega-se à China
Viajar
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Eu estava na praia, no auge dos meus 5 ou 6 anos, munida de pá, baldinho e demais acessórios que entretiam uma criança por horas. Quando comecei a cavar na areia, um buraco proporcional a capacidade de  minhas pequenas mãos, meu pai me incentivou dizendo: “sabia que se você cavar bem fundo pode chegar na China?! Esse momento deve ter desencadeado vários pensamentos e questionamentos, até eu entender que a China ficava do outro lado do planeta, que era outro pedaço de terra onde as pessoas viviam. Mas sem dúvidas, tudo aquilo ficou registrado em minha mente.

 
Instigando essa memória posso me recordar quando estava na aula de geografia, aprendendo sobre as camadas da Terra e o que elas continham. Aí eu entendi porque não dava para chegar no outro lado do planeta através de um buraco, e fui explicar para o meu pai. 

 
Agora, refletindo sobre isso, é que eu me dou conta de como os ensinamentos da vida são bárbaros. Porque dessa forma eu registrei que, apesar de não ser na força bruta, eu precisaria de esforço e vontade para chegar à China ou a qualquer outro lugar do mundo.

 
E passado alguns anos percebo outra coisa, as mesmas forças são exigidas para se manter em qualquer lugar desses. Pois é preciso coragem para encarar o mundo, sair da zona de conforto, estar longe de todas aquelas pessoas com as quais se vinculou a vida inteira (que sabem melhor quem você é do que você mesmo). 

 
Viajar é se dar conta de que você é apenas uma parte minúscula de um todo. Que existe tanta coisa na sua volta que você perde qualquer convicção criada a priori. Então realmente não é fácil chegar do outro lado do planeta, ou na fronteira do seu próprio Estado, é preciso estar psicologicamente preparado para tudo que você vai ver do lado de lá. 

 
E como lidar com todas as suas concepções em um lugar com cultura e costumes muito diferentes dos seus? Como se observar e reaprender coisas que você faz de modo automático? Como filtrar seus pensamentos para não julgar? Como se adaptar?  

 
Verdade é que meu pai podia ter me dito, que de avião, e com algumas escalas, eu chegaria lá. Mas tirar de mim toda essa construção? Nananinanão. Quando cheguei lá em cima, no ponto mais alto daquele trecho da Muralha, naquela hora eu soube que nunca parei de cavar. E nunca irei parar. Só que todo buraco tem um fundo, que pode ser a abertura de um novo caminho.

 Aprendizagem

Então pego a minha pá e meu baldinho e começo tudo de novo… em que parte do mundo eu posso chegar agora? 

Deixe seu comentário aqui:

INDEX.php//138 Configure o Instagram Aqui!

Orgulhosamente desenvolvido por @renanabraham - WC®3.1.4

Design: My Wishes Gallery.com

2019 - Prô Mundo - Todos os direitos reservados