Saúde Mental e Imigração

O luto do imigrante: Síndrome de Ulisses

por Prô Mundo Psicologia | fev 06, 2024

Olá, Viajante!

No último post, demos uma pincelada no “luto do imigrante”, que se caracteriza pelas diversas perdas emocionais, culturais e geográficas que acontecem quando uma pessoa muda de um local para outro.

Lidar com o processo de luto é tanto desafiador quanto individual, mas uma coisa é certa: cada um, com as suas particularidades, precisa passar por ele. Os riscos de varrer o sentimento de luto para debaixo do tapete são altos para a saúde mental. Por isso, hoje vamos falar da “Síndrome do Imigrante com Estresse Múltiplo,” também conhecida como Síndrome de Ulisses.

luto do imigrante: Síndrome de Ulisses

Ulisses who?

Ulisses é um personagem da mitologia grega presente em vários poemas de Homero. Conhecido por sua perspicácia na guerra, um dos seus maiores feitos foi arquitetar o famoso Cavalo de Troia.

  • O Cavalo de Troia era um cavalo de madeira gigantesco dado de presente pelos gregos aos troianos. Mas no interior do cavalo estavam vários soldados gregos. Na calada da noite, quando o cavalo de madeira já estava dentro dos portões de Troia, os soldados gregos tomaram a cidade. Daí também a expressão “presente de grego” para se referir a um presente ruim.

Pois bem, terminada a guerra em Troia, Ulisses passou incríveis dez anos viajando até conseguir voltar para casa (praticamente o mesmo tempo da guerra!). O retorno foi uma viagem cheia de obstáculos, incluindo perder-se no caminho, sofrer com isolamento, fazer escolhas e renúncias, enlutar pelos companheiros que ficaram para trás, e sobretudo ter muita coragem e resiliência. Tudo isso para chegar em casa e descobrir que tudo havia mudado… 🫠

Enfim: o Ulisses-viajante passou por TANTO perrengue que a Síndrome do Imigrante com Estresse Múltiplo ganhou a sua alcunha!

luto do imigrante: Síndrome de Ulisses

Síndrome do Imigrante com Estresse Múltiplo: quando os fatores de estresse vão se empilhando

A principal característica da Síndrome do Imigrante com Estresse Múltiplo é a ocorrência de vários fatores de stress simultâneos, fatores esses bem típicos da mudança para um outro país.

Vamos fazer um exercício: quantos itens abaixo você vivencia ou vivenciou como imigrante?

  • solidão e convívio social superficial
  • sentimento de fracasso
  • sensação de que a vida é uma luta diária
  • barreiras linguísticas
  • desconexão e sentimento de não-pertencimento
  • xenofobia
  • pendências legais
  • falta de confiança (para lidar com) as instituições
  • falta de políticas públicas de acolhimento

⚠️ Atenção – isso não é um diagnóstico! O simples fato de você experimentar várias (ou todas) situações acima não significa que você sofre da Síndrome de Ulisses!

O que queremos mostrar é que vários desses fatores costumam acontecer ao mesmo tempo com o imigrante, gerando uma sobrecarga mental que pode evoluir para a Síndrome do Imigrante com Estresse Múltiplo.

Assim, mudar-se para um novo país, mesmo que por escolha própria, frequentemente sem companhia, pode causar solidão e estranheza intensas. Os imigrantes frequentemente idealizam seus destinos, mas podem acabar extremamente frustrados com a sua experiência – além dos riscos de exploração, racismo e marginalização.

  • Além disso, condições financeiras apertadas e envio de dinheiro para familiares podem levar os imigrantes a negligenciarem suas próprias necessidades de saúde e bem-estar.

A perda de conexão com suas tradições, barreiras linguísticas, dificuldades de emprego e a sensação de fracasso contribuem para um estado constante de ansiedade que pode ser complicado navegar.

Com autocuidado, isso também vai passar

Primeiramente, é importante salientar que a Síndrome do Imigrante com Estresse Múltiplo tem solução! O que se mostra mais eficaz é uma abordagem holística – da mesma forma que diversos fatores de stress se acumulam, a melhor solução também envolve várias abordagens.

▶️ A primeira, claro, é procurar terapia com psicólogas especializadas em brasileiros que moram fora.

Além disso, também procure maneiras de integração local, através de redes sociais, atividades interativas como esportes ou dança, ou um jantar para conhecer os vizinhos. Vale a pena procurar saber sobre as políticas públicas de integração sociocultural – se há aulas de idioma, oficinas ou outras atividades oferecidas pelos governos ou ONGs que contribuem para a integração local.



Lembre-se: autocuidado é cuidar das próprias dificuldades e procurar ajuda! Talvez seja uma boa hora para procurar acompanhamento psicoterapêutico no site da Prô Mundo ou de mandar uma mensagem pro nosso WhatsApp.– que tal?

luto do imigrante: Síndrome de Ulisses

Abraços virtuais!

Comente aqui

Você também vai gostar